Docentes náufragos na pandemia e as “bolinhas Wilson” na tela

A questão pode não ser tão trivial, do ponto de vista das interações dialógicas necessárias ao ensino-aprendizagem, pois certamente há muitos dramas pessoais, familiares e sociais por detrás de uma bolinha silenciosa na tela, que deixa o professor com a sensação de estar falando para si mesmo – ou como Chuck, uma angústia de náufrago estabelecendo comunicação na ausência de polifonia.

 

Leia mais em https://diplomatique.org.br/docentes-naufragos-na-pandemia-e-as-bolinhas-wilson-na-tela/

 

por Samuel Jorge Moysés e Marco Akerman
23 de março de 2021

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *